Papel das Mulheres na Bíblia – Parte 05

RAAB, A PROSTITUTA

RAAB era a prostituta em Jerico que, ouvindo os prodígios e os milagres que Deus havia feito para o povo de Israel, desejou conectar seu destino com o dele.

No livro de Josué 2:1-7, lemos o ocorrido na casa da prostituta RAAB, que se situava sobre o muro da cidade, muro esse que cairia mais tarde ao som das trombetas.

Quando os soldados do Rei de Jerico chegaram a casa de RAAB em busca dos espiões, surpreendentemente ela decidiu esconde-los e mentir para seu próprio rei.
Tomou essa decisão com risco da própria vida e dos membros da sua família. A explicação para essa decisão repousa nos versículos 8-12 de Josué 2.
Pressionados pelo tempo e pela situação, os espiões não hesitaram em prometer “Nossas vidas pela sua vida!”
Os dois homens retornaram a Israel e repetiram a Josué as exatas palavras de RAAB:
“Sei que o Senhor vos entregou esta terra; o terror de vós apoderou-se de nós e todos os habitantes da terra estão desanimados por vossa causa.”(9).

RAAB não estava salvando apenas a vida dos israelitas, como também os encorajando com seu despojamento e com as proclamações de Deus na vitória em Caná.

As palavras de vitória manifestadas por RAAB eram inteiramente diferentes das palavras dos espiões que haviam sido enviados antes a Caná por Moisés, quarenta anos antes (Num 13:27-28).

O que havia mudado nos quarenta anos durante os quais os filhos de Israel vagaram no deserto? Qual era a diferença na experiência dos espiões?

A maior parte das pessoas que testemunharam os milagres do Exodos há muito tinham partido. A vitória sobre o Faraó do Egito e a travessia do Mar Vermelho eram meras lendas para a nova geração nascida no deserto.

Memórias de milagres e prodígios tendem a desaparecer com o tempo e as explicações sobre o passado são racionalizadas. As pessoas vivendo na Terra não eram menos fortes ou menos altas do que as que ali habitavam há quarenta anos, e a cidade de Jerico não era menos defendida.

Pouco antes da batalha com o Rei de Heshbon, o Senhor fez uma promessa a Moisés (Deuteronômio 2:25).

Certamente, um fator importante de encorajamento para os espiões foi a fé dessa mulher, uma prostituta cananita de Jerico. Ela acreditou nos milagres do Egito com maior confiança e fé do que os israelitas que os haviam assistido.

Ela proclamou com suas palavras, da maneira mais clara possível, a autoridade do único Deus vivo e isso foi descrito no relatório dos espiões.

A fé de RAAB em Deus e sua absoluta confiança nas suas promessas a fizeram um grande exemplo de fé. Essa confiança causou grande mudança em sua vida, passando de uma prostituta cananita para uma honrada esposa em Israel, sogra de Reis e, depois, do próprio Messias.

Sua habilidade em agir na fé, arriscando a vida, colocando-se ao lado de uma nação desconhecida, da qual ela não tinha ouvido falar, fluia de sua crença nas promessas de Deus para Israel.

Ela também acreditava nas promessas dos espiões e agiu baseada nessas promessas. Tiago, em seu livro, a usa como exemplo (Tiago 2:25).

Pela tradição Judaica acredita-se que RAAB foi uma das mais belas mulheres do mundo. Ela foi citada, finalmente, como exemplo de Gentia justa, unindo-se ao destino de Israel e proclamando o único e verdadeiro Deus do céu e da terra.

RAAB, apesar de sua profissão, foi uma mulher de grande fé. Ela acreditou e agiu de acordo com sua crença, colocando-se ao lado do Deus de Israel e da nação de Israel. Ela foi sábia e criativa nas emergências.

A história de RAAB nos mostra a grande misericórdia de Deus, que assumiu a prostituda gentia, aceitou seu arrependimento genuino e a honrou com grandes descendentes, como o Rei Davi e Jesus, o Messias.

No próximo capítulo examinaremos o papel desempenhado pela moabita RUTH, de uma tribo proibida de se relacionar com os hebreus.

Posted in Grupo de Oração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *