LECTIO DIVINA – Parte 01

Nosso presidente na COMUNIDADE EMANUEL é um monge beneditino, DOM CIPRIANO, motivo pelo qual aprendemos a praticar um dos exercícios mais comuns nos Mosteiros Beneditinos, destinado a aumentar nosso relacionamento com Deus e, consequentemente, aumentar nossa fé no poder de Deus.
Trata-se da LECTIO DIVINA, pratica que se desenvolveu em todos os Mosteiros como veremos a seguir.

O QUE É

Lectio Divina “consiste em meditar amplamente sobre o texto bíblico, lendo-o e voltando a ler, ‘ruminando-o’ em certo sentido, e espremendo todo seu ‘suco’, para que alimente a meditação e a contemplação e chegue a irrigar com a seiva a vida concreta”.
“A Lectio Divina requer que a mente e o coração estejam iluminados pelo Espírito Santo, ou seja, pelo próprio inspirador das Escrituras, é necessário pôr-se em atitude de religiosa escuta”.

HISTÓRICO

A leitura orante da Bíblia remonta aos primeiros cristãos.

O primeiro a utilizar a expressão Lectio Divina foi Orígenes (aproximadamente 185-254), teólogo, que afirmava que para ler a Bíblia com proveito é necessário fazê-lo com atenção, constância e oração.

Mais adiante, a Lectio Divina converteu-se na coluna vertebral da vida religiosa.

As regras monásticas de Pacômio, Agostinho, Basílio e Bento fariam dessa prática, junto ao trabalho manual e à liturgia, a tripla base da vida monástica.

Por volta do ano 1150, Guido, um monge cartuxo, escreveu um livro titulado “A escada dos monges”, onde expunha a teoria dos quatro degraus: LEITURA – MEDITAÇÃO – ORAÇÃO – CONTEMPLAÇÃO

“Essa é a escada pela qual os monges sobem desde a terra até o céu”, afirmava.

COMO PROCEDER

O ideal é utilizar os quatro evangelhos canônicos, tendo o cuidado de procurar mergulhar no contexto histórico e literário de cada livro, verificando os objetivos e as intenções pretendidas pelos autores junto aos primeiros leitores, que não somos nós, mas os primeiros cristãos.

O Evangelho de MATEUS era destinado ao povo judeu onde a figura de Jesus se salienta sobre o fundo do Antigo Testamento, fazendo as vezes do novo Moisés a promulgar a Lei perfeita disposta em 5 grandes sermões monumentais – O Novo Pentateuco.

Mateus era um coletor de impostos, pertencentes a uma classe mal vista pelos judeus, não só pela recorrente fraudulência de sua atividade, como por servir à Roma dominadora.

Seu Evangelho deve ter sido escrito aproximadamente nos anos 80 redigido em aramaico e adotou como narrativa básica o Evangelho de Marcos, considerado o primeiro Evangelho, escrito entre os anos 65-70, enquanto o de Mateus deve ter sido escrito aproximadamente nos anos 80.

Mateus procura grupar acontecimentos ou sermões de Jesus que, segundo a ordem cronológica, devem ter ocorrido muito distantes uns dos outros, mas que, reunidos, ajudam a melhor compreensão da doutrina pregada por Jesus.

Admite-se que esses 5 sermões que apresentam o Reino de Deus são uma alusão aos 5 rolos da Lei de Moisés, pois nesse evangelho o apóstolo procura mostrar que ser discípulo de Jesus é a maneira verdadeira de realizar o objetivo da Lei – viver segundo a vontade de Deus.

Posted in Grupo de Oração.

2 Comments

  1. São Marcos copiou o evangelho escrito por Mateus em grego. Em hebraico esta perdido.(Fonte:- Hipólito de Moura Faria, coordenador do grupo de oração , que tem grande conhecimento religioso!). São Mateus ao acompanhar Jesus, escrevia tudo em uma tabuinha! (Fonte:- , à mística Maria Valtorta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *