A SAMARITANA – JO 4, 5ss – Parte 01

Bispo de Petrópolis, Dom Gregório OSB

A religião e a história sempre andaram juntas motivo pelo qual minha apresentação se baseará parte em teologia, parte em antropologia e parte na cultura helênica e romana.

Hoje, quando as mulheres já exercem papeis importantes na vida fica difícil acreditar que historicamente a mulher nunca exerceu um protagonismo na vida da sociedade. Eram escamoteadas, sempre ocultas pelo masculino.

Com esse histórico da cultura machista é fácil entender porque ainda hoje as mulheres recebem menos do que os homens em funções semelhantes.

Na cultura grega, por exemplo, a obra de Platão é muito discutida mas a de sua discípula Safo, raramente é mencionada. Safo era oriunda da ilha de Lesbos, onde só viviam mulheres, daí a denominação do lesbianismo. Seu nome, por outro lado, apesar de sua cultura, originou o termo Safada, mulher de hábitos desregrados.

Os preconceitos contra a mulher marcaram sua trajetória na história e aquela que desejasse marcar sua passagem na vida tinha que utilizar as armas que Deus lhe havia concedido, sua beleza e seu corpo.

O termo beleza se origina do hebraico BEL EL SAR – bel -casa; el- Deus; sar – luz Beleza – a casa onde brilha a luz de Deus.

Era com esse brilho que a mulher tentava se sobresair na sociedade antiga.

No Egito raras vezes e por momentos fugidios a mulher conseguiu ascender ao cargos importantes. Cleópatra talvez tenha sido a mais conhecida. Ela usou da sedução de sua beleza e de seu corpo para conquistar Marco Antonio e depois Cesar. Algumas chegaram a exercer temporariamente o cargo de farao, sucedendo a filhos menores, mas os sacerdotes não consentiam que a mulher exercesse poder político por muito tempo.

Na Roma antiga, as mulheres não participavam dos debates políticos nem exerciam cargos públicos, restringindo-se ao papel de sacerdotisas nos templos. Contudo, é sabido que muitas exercessem um poder ns sombras, através da sedução dos poderosos.

Em Israel mulheres também se tornaram heroinas pela beleza, pelo corpo e pela sagacidade. No Antigo Testamento temos:

DÉBORA, a profetisa, era juiz em Israel conhecida por sua sabedoria e sagacidade militar acompanhou Barac em sua vitória sobre Sisara.

ESTER era israelita, órfã de pai e mãe, criada por seu tio, Mardoqueu, que havia sido levado de Jerusalém para Babilônia por Nabucodonosor. Com a morte dos pais de Ester ele a adotou como filha e a levou para ser apresentada ao rei que se encantou com sua beleza e a fez rainha. E foi com sua beleza que conseguiu mudar os planos do rei de eliminar todos os judeus que viviam na cidade.

Posted in Grupo de Oração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *