Pedir e Louvar

Davi, o Rei-Salmista nos ensina muita coisa. Para ele, por exemplo, pedir e louvar são coisas que vão juntas. Um bom exemplo é o Salmo 71:

“Senhor, tomei-te como refúgio; não seja eu humilhado! Livrar-me-ás, na tua justiça. Estende o ouvido para mim, salva-me. Sê o rochedo no qual me abrigo, ao qual tenho acesso a todo instante: decidiste salvar-me. Sim, és meu rochedo, minha fortaleza. Meu Deus, livra-me das mãos do malvado, do punho dos criminosos e dos violentos. Tu és minha esperança, Senhor Deus, minha segurança desde a minha juventude. Apoio-me em ti desde o meu nascimento, separaste-me do ventre materno. A ti vai sem cessar o meu louvor” (Sl 71,1-6).

Davi não teme apoiar-se em Deus, não teme vir a ele e declarar aberta e honestamente a sua necessidade. Ele não encara a situação como em esperança porque conhece o poder e a fidelidade de nosso Deus. Não dá ouvidos a dúvidas que lhe são lançadas e sabe que Deus é o seu penhor.

“Meus inimigos falam contra mim; aqueles que me vigiam fizeram conluio entre si.

Eles dizem: Deus o abandonou; persegui-o, pegai-o, ninguém irá livrá-lo” (vv. 10-11).

A resposta de Davi foi: “Quanto a mim, hei de sempre esperar e persisto em cantar os teus louvores” (v. 14). Deus não perdeu o controle de sua vida. Davi lhe pertence. “Tu que me fizeste ver tantas aflições e desgraças, voltarás a deixar-me viver. Voltarás a arrancar-me dos abismos da terra. Reerguerás a minha dignidade e me reconfortarás” (vv. 20-21). E o salmo termina com uma nota de triunfo:

“Então, acompanhado da minha harpa, te celebrarei meu Deus, e a tua fidelidade; na cítara cantarei para ti, Santo de Israel! Tocarei para ti, meus lábios cantarão de alegria, pois resgataste a minha vida. E minha língua o dia inteiro recitará a tua justiça, pois a vergonha e a infâmia são para aqueles que buscavam a minha desgraça” (vv. 22-24).

Essas são palavras de fé, pois demonstram que Davi acreditava na vitória que ainda não se havia realizado! Estava orando, crendo que a receberia, que seria sua. Assim, seu coração encheu-se de louvor, pois sabia que Deus faria com que ele fosse salvo dos seus inimigos.

Os salmos são ricos em inspiração de fé. Não escondem os profundos anelos do coração, ou as situações mais impossíveis, e, no entanto, são lançados cheios de louvor pelo Deus fiel, pelo Deus de amor inabalável, não só por Davi, mas também muito especialmente por você, meu irmão, minha irmã, na sua necessidade de hoje, de agora mesmo, antes de você ir dormir.

Posted in Dom Cipriano Chagas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *