O Poder da Palavra

Estava vendo televisão quando deparei-me com a imagem do Presidente Barack Obama, dos Estados Unidos, em uma cerimônia de entrega de prêmios a pessoas que se destacaram pelo seu comportamento na vida.

Seu discurso foi emocionante. Citou cada um dos homenageados falando sobre a influência que tiveram para seu desempenho frente a nação mais poderosa do mundo. Não fez distinção de partido político, raça ou preferência sexual. Distinguiu as pessoas pelo que representam como pessoas, pelos seus atos corajosos de fazer coisas que muitos de nós teria receio de fazer pressionados pelo preconceito, pelo medo em desagradar algumas pessoas, pelo escrúpulo em defender algo que a maioria é contra.

Seu discurso foi envolvente, catalisador de esperanças num momento em que o mundo vive grandes incertezas. Obama não deixa seu cargo como a maior parte de seus antecessores, como um “Duck lame”, um “pato manco”, que no dizer dos políticos norte-americanos significa o presidente não tem mais nenhum poder. Obama, ao contrário, tem provado que ainda é ouvido, que ainda o procuram em busca de soluções para nossas incertezas. Seu slogam durante a campanha presidencial “YES WE CAN!” SIM, NÓS PODEMOS, continua a ecoar em nossa lembrança. Sim, podemos mudar a face do mundo intransigente, podemos transformar pessoas preconcebidas, podemos nos reinventar, sair de nosso casulo e enfrentar o mundo duro com a face de Cristo, podemos usar nossa PALAVRA para fazer a diferença. Afinal, somos criados à semelhança de Deus.

Foi empolgado por essas palavras que resolvi dedicar um pouco de meu tempo para enfatizar como é importante nosso falar. Como é importante dizer coisas que acrescentam, que fazem as pessoas crescerem.

Refletindo sobre isso percebi que nosso Deus, ao nos criar, possibilitou que exprimíssemos nossos pensamentos mais profundos pela PALAVRA. Tudo aquilo que pensamos podemos FALAR e, ao FALAR, podemos influenciar pessoas e a nós mesmos. No reino animal somos os únicos que podemos mudar nosso comportamento. Um peixe será sempre um peixe e gerará outros peixes exatamente iguais, com o mesmo tipo de comportamento. Nós não! Geramos pessoas muitas vezes bem diferentes de seus antepassados, transformamos nosso comportamento, mudamos de hábitos. Tudo isso através da PALAVRA! São as coisas que dizemos que mudam nosso entorno.

Foi pela Palavra que Deus criou o mundo, e ao ver que estava coberto de trevas DISSE: “Faça-se luz” e houve luz.

S. João repete a mesma coisa ao afirmar, na introdução de seu Evangelho: “No princípio era VERBO e o VERBO estava com Deus e o VERBO era Deus.”

Os grandes personagens mundiais conseguiram liderar multidões pela PALAVRA, começando por Jesus, que conseguiu fazer com que uma multidão, distribuída por todas as partes do mundo, continuassem a divulgar sua mensagem de paz e de amor mais de dois mil anos de sua crucifixão.
Jesus não usou exércitos poderosos, mas pelo exemplo, e pela PALAVRA, transformou de tal forma o mundo em que vivia que até hoje seguimos suas recomendações. Até hoje, aquilo que na época era impossível imaginar seria aplicado, foi incorporado aos princípios básicos dos países democráticos – Todos os homens são iguais perante a lei; Você não é julgado pelo sua cor, pelo seu credo, por sua origem, ou pela sua riqueza ou pobreza, mas pela forma como se comporta diante de seu semelhante; Os últimos, aqueles mais desafortunados, serão os primeiros no Reino dos Céus; Sua força está em sua fraqueza.

Seu exemplo foi seguido e, ao longo da história, grandes pensadores e líderes foram revelados pelo que PENSAVAM e disseminaram seus ensinamentos pela PALAVRA.

Os romanos tinham um ditado que dizia: “Verba volant scripta manent” a palavra se esvai com o tempo, mas o que está escrito fica. Entretanto, antes de serem escritos os pensamentos têm que ser formulados verbalmente. Principalmente se lembrarmos que houve época em que a memória da sociedade era passada de geração em geração pela palavra, pois não existiam livros e, mesmo quando existiam, o número de pessoas educadas, capazes de ler o que estava escrito, era rara em geral restrita aos mosteiros, onde os monges copiavam os livros mais importantes para preservar a cultura antiga. Em alguns países da África ainda existem pessoas que são conhecidas como a memória da tribo. Sua função é contar inúmeras vezes a história de seu povo para os mais jovens, evitando que se perca a tradição tribal. A história do povo que se confunde com a história do indivíduo.

Nos tempos atuais , nos países mais desenvolvidos, vemos como a PALAVRA tem sido usada de maneira inapropriada, ora para nos convencer da necessidade de adquirir coisas inteiramente supérfluas, ora para conquistar adeptos a ideologias extemporâneas. A primeira estimula o consumismo desenfreado, a segunda a formação de quistos sociais que usam as armas da democracia para tentar desestabiliza-la.

Apesar disso, a PALAVRA continua a ser a melhor maneira de se conviver harmoniosamente. É falando que conquistamos a pessoa amada, é falando que esclarecemos nossas dúvidas, é falando que estabelecemos o diálogo com Deus.

Esse falar harmonioso precisa ser revitalizado, precisa ser reaprendido, pois vivemos em um mundo que estimula o barulho pelo barulho. Parece que o objetivo é justamente calar as pessoas, tornando-as presas fáceis de manipulação.

Nós, católicos, temos um repositório precioso sobre o poder da PALAVRA. Aprendemos com a história de nossa religião como os líderes dialogavam com os poderosos, como falavam aos pobres e oprimidos, como estimulava a esperança em um mundo melhor, mais justo, mas amoroso, onde cada um pode encontrar um sentido para sua vida. A PALAVRA os levava a transitar de um polo a outro no arco da sociedade. Pela PALAVRA conquistaram audiências, levando os mais importantes a estabelecerem leis mais justas, e aos oprimidos a esperar melhoras significativas em seu viver.

Entender a importância do que falamos é primordial para vivermos em sociedade, para externar nosso pensamento, para elucidar mal entendidos, para perdoar. Essa importância não escapou do olhar atento de Dom Cipriano que nos brindou com o livro VITÓRIA PELA PALAVRA,onde descreve o poder espiritual de tudo o que falamos; “Falando as palavras de Deus, porque a palavra de Deus é força criadora”. E enfatiza: “Tudo quanto desejardes quando orardes, crede que o recebestes”. Não desejamos a drrota, portanto não devemos rezar pelos nossos problemas, pelas nossas angústias, e sim pela resolução desses obstáculos que nos impedem de sermos felizes.

Isso não é uma panaceia, algo que deve ser feito de forma automática, como se fosse um talismã mágico. Não, temos que nos aprofundar nos desejos de Deus para seus filhos. Em Marcos 11,23, Jesus diz: “Todo aquele que disser a esse monte, “levanta-te e lança-te ao mar”, se não duvidar em seu coração, mas crer que sucederá tudo o que diz, obterá tudo o que disser.” O monte é o obstáculo que enfrentamos, os problemas que vivemos, as pontes que caíram. Temos que participar do processo curador e restaurador de Cristo. Ele pode tudo, mas faz questão de nossa participação. Significa que devemos nos aprofundar nos ensinamentos de Deus. Em Oséias 4,6 lemos: “Meu povo é destruído pela falta de conhecimento.” Não nos deixaremos vencer pelas incertezas do mundo, aprendamos a nos proteger através da leitura do livro VITÓRIA PELA PALAVRA.

Posted in Formação.

2 Comments

  1. Diante dessa reflexão; considerando a preciosidade da palavra sabiamente utilizada; não dá para compreender como podemos desperdiçar, calar ou jogar ao vento, um bem tão simples e tão precioso. Que o Senhor nos ajude a zelar pelos dons que Ele nos concede.

    Obrigada Malta, por mais esta!

  2. Cara Vânia

    desculpe a demora m responder. Estive viajando e só voltei nesta semana. Acho que você tocou no ponto certo, “como podemos desperdiçar, calar ou jogar ao vento um bem tão simples e tão precioso”.São pessoas como você que podem divulgar mais a importância do que dizemos.
    A Paz de Jesus
    Mauro Malta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *